O que lhe dá ânimo para viver?

413_L

Artigo originalmente publicado na Revista Personare.

Dia após dia você se depara com tarefas da sua rotina, entremeadas de novos desafios que vão pipocando aqui e ali. Você precisa solucionar esses desafios e realizar as tarefas, seja pela sua sobrevivência, pelos compromissos assumidos ou pelo seu desejo.

Esses desafios que estão sempre nos sacudindo dizem muito sobre aquilo que é mais profundo em nós: nossas aspirações. Essas aspirações não podem ser confundidas com nosso desejo ou nosso querer. De fato, as aspirações estão por trás deles várias vezes, outras vezes podem até mesmo estar em sentido oposto. As aspirações são nosso mestre interior, aquilo pelo que lutamos, que nos dá ânimo para viver.

Uma amiga, por exemplo, desde a adolescência sente-se responsável por cuidar dos familiares. Hoje na faixa dos quarenta, já cuidou de avó, mãe, tia. Teve filhos da própria barriga e adotou mais duas crianças que ficaram órfãs. Some-se a isso tudo a profissão que escolheu: assistente social. Seu mestre interior lhe impulsiona a cuidar, e ela se sente bem assim, podendo ajudar quem precisa. O que não quer dizer que ela não se cansa de vez em quando, que ela não se questiona, que ela não gostaria de em determinados momentos estar mais livre para poder viajar, passear. Entra aí a necessidade da moderação, de saber pedir ajuda para não se esgotar na realização das tarefas a que se propôs.

Esses mestres interiores podem ser os mais diversos, já que cada ser humano é único. Para alguém o impulso pode ser o dinheiro, e cada ação sua tem a finalidade de aumentar seus ganhos. Outra pessoa pode aspirar a maternidade, e muito na sua vida tem o toque de mãe, mesmo com pessoas ou coisas que não sejam exatamente seus filhos.

O fato é que são as aspirações que vão moldando a maior parte das decisões importantes que tomamos na vida, como a escolha de parceria amorosa, a profissão, o lugar onde moramos. As aspirações agem mesmo como um mestre interior, que silenciosamente atua em cada ser humano, revelando os mais altos fins de sua existência.

O que lhe impulsiona? Quais aspirações estão por trás de suas decisões?

Marcelo Guerra

This entry was posted in antroposofia, psicoterapia, terapia biográfica and tagged . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *