Transformando o destino com as próprias mãos

ubirajara

A coleguinha Itala Maduell mistura ficção e vida real, numa excelente reflexão em torno de um brasileiro admirável e um filme premiado. Não deixe de ler.

O milionário, o escriturário e a chuva

Itala Maduell

“Quem quer ser um milionário?”, o filme campeão do Oscar, conta a saga do indiano Jamal Malik, um simpático vira-latas, simples garoto do chá de uma empresa de telemarketing, marcado pela infância sofrida da favela, sobrevivente de tragédias cotidianas, sustentado por golpes e biscates, que, da noite para o dia, passa a homem do milhão, ao vencer um programa de perguntas e respostas da TV usando apenas o que aprendeu na rua da amargura. Sorte dele. Sabia as respostas.

A história do brasileiro Ubirajara Gomes da Silva tem alguma semelhança com a do protagonista da ficção. Filho de militar com garçonete, não conheceu nenhum dos dois. Cresceu num orfanato e, depois, na casa da avó com quatro irmãos. Aos 15, saiu de casa, fugindo de maus-tratos. Por 12 anos dormiu em bancos de praça de Recife. Vivia de pequenos bicos. Foi auxiliar de pedreiro, contínuo, biscateiro. Fazia uma refeição por dia, tomava banho no Mercado Público. Até que, aos 27, ficou famoso – não tanto quanto o indiano alçado a celebridade, mas o suficiente para ser notícia nos jornais, reconhecido nas ruas de Recife, homenageado na Assembléia Legislativa e indicado como cidadão que Faz Diferença, em prêmio do Globo.

O feito do brasileiro foi ter se metido a fazer – e ter passado – em quatro concursos públicos. Foi aprovado para o IBGE, a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), o Laboratório Farmacêutico de Pernambuco (Lafepe) e o Banco do Brasil. Neste último, Ubirajara disputou a vaga com 19 mil pessoas. Acertou 116 das 150 questões da prova. Mérito dele. Sabia as respostas.

O primeiro emprego de carteira assinada da sua vida é o de escriturário. E assim Ubirajara passou à casta superior dos cidadãos com carreira sólida e estabilidade – o sonho dourado de milhares de brasileiros, que lotam as salas dos cursinhos preparatórios.

Criados na porção miserável de seus países, sem pai nem mãe, à beira da marginalidade, ambos foram capazes de mudar seus destinos. Suas traumáticas experiências de vida motivaram a virada. Mas, enquanto na fantasia o indiano tira a sorte grande por desígnio de Ganesha – o deus do conhecimento, aquele que remove os obstáculos -, na vida real Ubirajara chega lá por mérito próprio, por abnegação. O morador de rua terminou o ensino médio fazendo supletivo noturno e se preparou para os concursos pesquisando em bibliotecas públicas e em sites na internet, que acessava de lan houses.

Tal como Ubirajara no banco da praça, parte significativa dos alunos da rede pública de ensino nacional está ao relento, literalmente sob a intempérie, como mostrou reportagem do GLOBO no domingo. Livros, carteiras e mesmo alunos são amontoados sob chuva e sol em corredores ou galpões insalubres. Falta teto onde os brasileiros deveriam ter a chance de “sair da chuva”, de ter assegurado o direito a ser alguém na vida. Que Ganesha os proteja.

Fonte: Ancelmo.com, O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *