Sabedoria Gaúcha

Esta música de Vitor Ramil é antiga e eu a ouvia muito num LP que ainda devo ter em algum lugar. Ela parece falar direto ao meu coração e à minha mente, sempre tão inquietos, sempre tão necessitados de paz e de se deixar levar. Hoje estava caminhando e ouvindo essa música, que repeti infinitamente no celular, e fiquei pensando o que mais aprendi com os gaúchos. Lembrei-me de três situações em que alguns gaúchos me influenciaram muito.

Uma foi um contato que fiz com a escritora Martha Medeiros. Minha filha Bia, de 17 anos, escreveu um texto no seu blog, quando tinha 14 anos, fazendo um resumo sobre sua vida. Lá, ela dizia que Martha Medeiros era sua inspiração. Eu entrei em contato com a Martha pelo e-mail que havia no jornal O Globo e, surpresa!, ela respondeu, de forma super gentil e carinhosa. Ainda mais, leu o blog e nos convidou para ir ao lançamento de um livro seu na livraria Travessa, em Ipanema. Eu levei Bia, mas não disse para quê. Foi uma emoção enorme quando Bia foi recebida pela sua ídola de forma tão carinhosa. Reaprendi com ela (Martha Medeiros) que, por mais sucesso e bajulação que a vida lhe ofereça, nunca preciso deixar de ser eu mesmo e ter carinho pelas pessoas.

Outra gaúcha que me ensinou muito foi a Fabiana Macchi, que participou de um seminário biográfico que organizei em São Paulo, nos tempos de DAO Terapias, com Rosângela Cunha. Eu tenho um coração cigano e gosto de mudar de lugar. Pois bem, a Fabiana me deu uma aula de coragem ao contar como foi morar na Suíça e dar aulas de alemão para quem é nativo na língua, quando ela mal sabia a língua, tendo que mergulhar nos livros para dominá-la e conquistar o seu sonho, tendo sido professora numa importante universidade lá, procurada por pessoas de todo o mundo que desejam aprofundar seus estudos na língua alemã.

O outro gaúcho é o pastor Adelcio Kronbauer, da Igreja Luterana em Nova Friburgo, que sabe falar como ninguém sobre a essência das coisas, desmistificando a religião. Isso, além de ser um amigo com quem se pode contar em momentos difíceis.

Como se vê, do Sul vem muito mais do que as frentes frias… Obrigado, gaúchas e gaúchos!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *